Literatura e contatinhos (sim, é possível)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017





Hoje eu queria estar só o Manuel Bandeira.  

Se fosse por causa de inspiração ou de poesia eu também já tava rica, mas quem me dera. Acabei de ler um texto falando que ele era adepto do poliamor (o cara tinha 4 esposas ao mesmo tempo, fora as amantes de uma noite, e vê se pode? Pode muito.) — e nem vem com papo de antiética que isso é só construção social  — e lá vai a chata da literatura:
Pra ele, a conquista era só um sorriso e poesia.
Eu queria era viver em 1970, pra mim é mais fácil ter um flerte assim do que sair beijando várias bocas que nem eu sei o nome...
Enfim, esse não é o ponto, porque eu cansei de fazer crônica sobre desgraçamentos mentais e textinhos sofridos.
Esse post não está só sendo feito porque hoje é sexta feira (à noite) e a dona do blog queria estar numa festinha. 
Eu quero lembrar a importância de se sentir bem quando a gente se relaciona com os outros. — independentemente se são uns beijinhos, um casamento de 30 anos ou um oizinho.  — E sim, eu sei (bem até demais) que a gente tem um momento de ranço uma vez ou outra, mas acima de tudo, que isso não seja determinante pra desistir das relações e virar um gótico anti social.
Desculpa góticos, meus pêsames.

Então, um salve pra todos os contatinhos, amantes que estão juntos nesse momento, e pro casal de velhinhos que estavam sentados no banquinho da praça hoje mais cedo, aliás, vocês estão fazendo isso do jeito certo. Afeto é importante.

E é esse o momento que eu termino a crônica falando: "vai lá leitor, ser Manuel Bandeira na vida".

Um post pra você se sentir melhor

quarta-feira, 6 de setembro de 2017



Oi amorcinhos, como cês estão?


Pois bem, em primeiro lugar, eu dei uma fuxicada aqui no blog e percebi uma coisa:


  • Eu nunca mais postei algo que eu realmente quisesse mostrar o quanto eu acho legal pra vocês, só o que dá mais "visualizações"
Eu tô sendo sincera porque amo escrever, e principalmente todos que leem  aqui, então não seria justo deixar passar batido. Pasmem, mas pagar internet pra ver o mesmo assunto em todos os lugares, só que com uma "carinha diferente" virou rotina, né rapaziada? Já deu.
Turobem, vamos ao post!


Aviso prévio: não darei conselhos do tipo "se ame mais" porque né... não é isso que você procura ler aqui, com toda certeza.

1. Se você está num dia ruim e

(a) fica chorando o dia todo
(b) se sente um lixo
(c) acha que o problema é você

NADA DISSO! A gente sabe que crise de ansiedade/depressão/tristeza não são bobeiras, mas só você pode mudar isso. Agora levanta a bunda do sofá e vai rebolar um pouquinho. (ou dar umas bitocas)



2. Se você se sente incapaz

Primeiramente, não sei quem plantou essa sementinha na sua cabeça, mas sai dessa. Além de não ser só aparência e ter um jeitinho, você sobreviveu à um total de 100% dos seus dias ruins, quer mais que isso?



3. Se você tem medo

Pode ser de  gostar de alguém, cumprir uma meta, dar uma aloprada (num bom sentido, claro)
SE JOGA, CHUCHU

Eu, Milena, como uma menina madura e conceituada com 16 anos de vida, declaro que é o melhor conselho a ser dado, fé.



4. Se alguém te diminui
Não se compare à esse tipo de pessoa, nem que tenha sido um tipo de brincadeira que te deixou mal, só manda sentar num cacto e segue baile.



Trend: Golf Wang

quarta-feira, 16 de agosto de 2017




Fala rapeize, como vocês estão? Espero que mucho bem hehe

Ultimamente andei escutando - muito - Tyler, the Creator, e apesar do meu gosto musical ser diferente absurdos de trap/rap, o último álbum desse cara está SENSACIONAL!!! No fim do post vou colocar um link pra vocês apreciarem essa obra de arte também!

O ponto principal é: além de fazer músicas maravilhosas e ter dois programas de tv, em 2010 ele criou a própria marca de roupas (e confesso que babei em várias hehehe) bora ver as que eu escolhi??




Clique aqui pra ouvir o álbum completo!


Então chuchus, gostaram? Usariam alguma? Comentem aqui hehe

Mais um dia normal

domingo, 30 de julho de 2017




— Tô sem ideia pra escrever, socorro

Há meses, alguém que não me recordo agora, fez o maior escândalo sobre minha suposta criatividade e facilidade de jogar minhas ideias por aí. Coitado (a).

—  Escreve sobre mim então, poxa
— Tô falando sério, que cê gostaria de ler?
—  Alguma coisa sobre mim.
— Anda, fala rápido
— Fala de mim
—  Para de palhaçada, cara... desisto ó, pelo visto já deu por hoje, e meus miolos estão fritando, beijão!

Larguei o celular no sofá e fui fazer um chá. Eu queria um café. Botei água pra ferver. Quase 00h, ah mas será possível? Vou ler. Mentira, tá na hora de dormir. Eu pareço uma velha num corpo de uma garota de 16 anos, que saco. Celular de novo. 3 mensagens:

"— É assim então, né? Você só escreve o que te convém?"
Mó drama, eu hein.
"— Tá bom, Milena"
Chamou pelo nome, o negócio ficou sério.
"— Boa noite"
...
— Quer que eu escreva sobre você de que jeito?

Deus me free ficar de bobajada com os outros por causa de teimosia.
Online na hora:

— O que você acha de mim? Só escreve
— Meu filho, não é texto de aniversário do facebook não
— Fala de mim de um jeito indireto, não sei... meu jeito

Aquele jeito que cansa minha beleza, destrói grupinho de amizade, não dá bom dia nem pro porteiro... crendeuspai. Ah eu vou catar umas coisas boas também, né galera? 
*pensando*
Vacilou comigo semana passada... ainda me deve um açaí, ah não. 

Manchete de jornal: "Blogueira é mais falsa que comercial de margarina"

— Tá bom, vou ver aqui, bjsbjs
— Ok!! beijoooo

Comercial de margarina. Café da manhã. C A F É. Cozinha. Chá, socorro...
É normal queimar água?





Pra cuidar dos cachos com R$ 35,00!

quarta-feira, 19 de julho de 2017



AAAAAAAA quanto tempo, né gente? Perdão pelo sumiço!

O post de hoje é pras cacheadas de plantão, de qualquer tipo de cabelo, e inclusive de transição (até rimou). 
O inverno chegou e tá difícil de definir os cachinhos? Os produtinhos estão caros absurdos? (infelizmente) Não gosta de fazer máscara caseira? CALMA! a miga aqui te ajuda! (insira aqui uma música de super herói)
Caso gostem de mais posts assim, me avisem e comentem aqui embaixo. Se tiver um feedback bom eu arrisco um de finalizações ou até faço um sorteio hehe. Bora parar de enrolação e conferir?


1- maionese Salon Line

a aplicação é mega fácil e você ainda pode hidratar enquanto dorme!

2- umidificador Niely Gold

é a melhor alternativa pras meninas com cabelos que ficam oleosos mais rápido (geralmente 2b) e a definição é mara!

3- creme meu cacho minha vida Lola

foi o primeiro produto da marca que usei, e essa linha TODINHA é super rentável em todas as lojas, um arraso #semcrise

4- óleo de argan Lola

sempre bom no day after, não te deixa com frizz de jeito nenhum!

5- gel creme Salon Line

pra quem adora volumão e não tem tempo pra finalizar esse é o ideal, pode abusar sem medo!

Ah, esses são pra todos os tipos de cacho, mas se quiser saber o seu, dá uma olhada aqui:


Foi isso, mores! Já usaram algum? Querem testar? Comentem aqui!



Recomendação da semana: Apanhador só

segunda-feira, 12 de junho de 2017




Fala chuchus, como cês tão?? Espero que todos pleníssimos!!
Ultimamente eu tenho escutado MUITA (muita mesmo, independentemente do gênero) música brasileira. Claro que, obviamente, não ia deixar passar batido comentar sobre uma das minhas bandinhas favoritas desde meados de outubro de 2016: Apanhador só! Nesse post eu vou recomendar umas músicas, dar motivos pra vocês virarem apreciadores dessa banda lindona, e tudo mais. Bora conhecer um pouco do trabalho dos caras?


Em 2003, a banda fazia uns covers e a finalidade era competir em festivais de colegial. Um pouco mais a frente, em 2006 pra ser mais exata – grazadeus – esses lindinhos gravaram o primeiro EP e o lançaram! 
A resistência da arte com o amadurecimento ao longo do tempo é um ponto que chama atenção quando se comparam os álbuns mais antigos e assim por diante, vale a pena ressaltar. Agora estão trabalhando na produção do disco novo e mal posso esperar de tanta ansiedade <3 font="">



Pulando pra parte que vocês esperavam do post, sem enrolation! (conheço meus leitores rsrsrs) 

A primeira impressão que eu tive assim que descobri a banda no Spotify foi: tudo tem um contexto. Procura dali, de cá, e fui descobrindo que não eram simplesmente historinhas de cinco minutos que podiam ser contadas em crônicas minhas, mas sim significados especiais. Exemplo:


Sabe esse velhinho da capa do CD "Antes que tu conte outra"?
Ele fundou um grupo de teatro com atuações de rua. O conceito é todo de inspiração pra banda seguir em frente, olha que homenagem mais fofa!




Em segundo lugar, ao meu ver, as letras têm todas várias interpretações, desde críticas sociais ou meus marcos de tempo, ou seja, não tem como não gostar, galerinha!
Ah, e em terceiro e não menos importante, eu admiro muito a forma que eles tratam o pessoal que gosta da banda, a relação é de amizade, não fanatismo-ídolo, isso é incrível absurdos!

PS.: eles me deram feliz aniversário ainda por cima, assim eu choro, né?









Bom galera, então esse foi o post de hoje – bem curtinho, mas de coração, espero que tenham gostado! 

Recado:

Pessoal do Apanhador só, um beijo grandão e um abraço bem forte em todos vocês, muito sucesso com o disco novo! Venham pro RJ, hein?


Entre os dias

terça-feira, 30 de maio de 2017





Resumo: Parei pra procurar umas crônicas sobre "crescer" e a única sensação que tive foi uma leve ânsia (não disse de quê, em respeito à todos os textos que eu li). 

Não é sobre fazer aniversário, justificar todas as coisas como aprendizado, muito menos deixar de chorar em dias ruins;
Maldita mania humana de colocar frases de efeito depreciativas sobre a vida — em quase tudo.
Não é sobre tempo, engordar ou aumentar altura, e tô longe de comentar sobre vida profissional;
É sobre ficar mais velho, ser o próprio aprendizado, chorar que nem uma criança que acabou de ralar o joelho. Também é sobre dias, mudar o quanto for preciso, e ver portas fechando (talvez reabrindo) toda hora.
Se enxergar tão pequeno a ponto de ver o mundo crescer e ter que deixar ele escapar das suas mãos, independentemente da idade que você tenha. Viver até dizer "chega", encontrar amor ou abismos pra voar em outro lugar/alguém, e como já dizia Vanguart, fazer da tua vida o que o coração te dá.
Maldita mania minha de achar que, um dia, meus textos vão parar numa parte de entretenimento do jornal, porque eu nunca chego até o final.
Mas nunca tem final.
É isso. 
Sobre não ter nexo, andar tropeçando nos pés, até chegar lá;
lá onde ninguém sabe, mas que você consiga ver tudo o que não viu.

 
Design e programa��o: Let�cia Persi | Ilustra��o da header: Akeno Kurokawa Ilustra��es | Todos os direitos reservados - Copyright © 2015 | VOLTAR AO TOPO